Suspeitos de integrar associação criminosa são presos pela Polícia Civil em Goiás

Suspeitos de integrar associação criminosa são presos pela Polícia Civil em Goiás

Movimentação financeira da organização criminosa ultrapassa a cifra de R$ 2 milhões só no último ano.

Policiais civis da Diretoria de Repressão a Corrupção e ao Crime Organizado (Dracco), por meio da 8ª Divisão Estadual de Investigações Criminais (DEIC/Gurupi), comandados pelo delegado Rafael Fortes Falcão, efetuaram a prisão de quatro pessoas suspeitas de integrar uma associação criminosa suspeita pela prática de vários crimes na cidade de Gurupi.

Segundo o delegado Rafael, as prisões foram efetuadas na tarde desta quarta-feira, 30. Foram presos dois homens de iniciais R.F.D.S.N e A.A.D.S., e duas mulheres de iniciais N.A.R.E. E.D.M. Todos foram capturados mediante a cumprimento de mandados de prisão preventiva quando se encontravam nas cidades de Goiânia e Aparecida de Goiânia, ambas no estado de Goiás.
As prisões são desdobramentos da Operação Hydra, deflagrada pela 8ª DEIC – Gurupi no mês de abril de 2019, quando sete pessoas foram presas.

Na ação desta quarta-feira, foram presos os responsáveis por ocultar a movimentação financeira da organização criminosa, que ultrapassou a cifra de R$ 2 milhões no último ano. O dinheiro era fruto da prática do tráfico de drogas e outros crimes, como o estelionato praticado por meio da internet, onde a investigação identificou 161 (cento e sessenta e uma) fraudes em que os criminosos utilizaram anúncios falsos e provocaram prejuízos de mais de R$ 16 mil.

Os quatro presos foram conduzidos à Central de Flagrantes da Polícia Civil de Goiás. Após a realização dos procedimentos legais cabíveis, os dois homens e as duas mulheres foram recolhidos a das Unidades prisionais de Goiânia, onde permanecerão à disposição da Justiça do Tocantins.
Em breve,  serão recambiados para Gurupi.

Ainda segundo o delegado Rafael Falcão, às investigações continuam até que todos os criminosos envolvidos sejam presos e encaminhados à Justiça.

Deixe seu comentário