TSE mantém a cassação de prefeita e vice de Pugmil

TSE mantém a cassação de prefeita e vice de Pugmil

Captação ilícita de recursos e abuso de poder econômico foram os motivos das cassações, nas eleições de 2016. A decisão do TSE é do dia 1º de agosto, mas foi publicada nesta segunda-feira (5).

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE), manteve a cassação dos mandatos da prefeita de Pugmil, Maria de Jesus Ribeiro da Silva Mendes, e do vice-prefeito Elton Barros Coelho. Os políticos foram cassados em 2017, por abuso de poder econômico e captação ilícita de recursos durante a campanha eleitoral de 2016, mas fizeram vários recursos para as instâncias superiores.

Uma eleição suplementar para o município chegou a ser convocada em 2018, mas uma liminar do Supremo Tribunal Federal (STF)suspendeu o pleito até que o TSE julgasse os recursos contra a cassação. Agora, cabe ao STF rever a determinação de novas eleições.

A investigação que levou à cassação da prefeita e do vice começou após dois homens ligados a campanha, um deles é filho da prefeita, serem flagrados com R$ 27 mil e material de campanha. A apreensão foi feita pela Polícia Militar dois dias antes da disputa eleitoral.

No dia do flagrante, o filho da prefeita ainda tentou se desfazer do material atirando envelopes com dinheiro, material de campanha e uma agenda para dentro da própria casa.

Durante os recursos, a defesa dos envolvidos chegou a afirmar que o dinheiro seria da venda de gado e serviria para pagar advogados, mas o ministro não aceitou os argumentos.

Deixe seu comentário